sexta-feira, 2 de junho de 2017

Resenha de Hayes McMullan - Everyday Seem Like Murder Here




Quantos talentos e histórias excepcionais não são perdidos pelo mundo afora? Especialmente no blues, cuja origem é essencialmente rural, milhares de músicos sempre atuaram anonimamente nas sombras durante décadas, trabalhando durante o dia numa profissão fixa e tocando de bar em bar à noite, vagando pelos circuitos de sua cidade ou seu estado ganhando um trocado, sem nunca ter tido a chance de ter sua música ouvida por um grande público, ter seu nome reconhecido nas rodas dos entusiastas de blues, assim por diante. Por sorte, esse não é mais o caso de Hayes McMullan. Infelizmente, ele não está mais entre nós para testemunhar essa tardia mudança. Nascido em 1902, McMullan passou sua vida como sharecropper, diácono e ativista de direitos humanos. Enquanto isso, tocava guitarra e compunha algumas músicas para tocar nos bares nas suas andanças pelo Extremo Sul dos Estados Unidos. McMullan morreu totalmente desconhecido em 1986, aos 84 anos. Somente agora, em 2017, trinta anos depois de sua morte, graças a uma gravação ocorrida em 1967, podemos finalmente conhecer um relance do talento e das histórias desse bluesman. Ele foi gravado pelo colecionador musical e documentarista Gayle Dean Wardlow, que no final da década de 60 foi em busca de alguma gravação de Charlie Patton, perguntando de porta em porta. Enfim, uma dessas portas foi a de Hayes McMullan, ao que respondeu que ele simplesmente tocou com o próprio Patton, além de Willie Brown. Durante seu tempo ativo na música, McMullan recebeu uma oferta de gravação, mas recusou; “Eles me ofereceram cinco dólares por música, e você sabe que eles podiam fazer milhares com apenas uma música” – ele disse então para Wardlow. Depois disso, e com o envenenamento de seu irmão, que também era um músico de blues, McMullan abandonou o blues – a música do diabo – e entrou para a Igreja.
Enfim, o disco Everyday Seem Like Murder Here é o resultado de três sessões que McMullan gravou com Wardlow entre 1967 e 1968, quase trinta anos depois que ele tinha parado de tocar. Dessas sessões, 31 faixas estão em qualidade boa para serem usadas no disco. O resultado é um autêntico registro do Delta Blues, entrecortadas por conversações. O estilo de McMullan não mudou nada: parece que está tocando diretamente dos anos 20, 30. Alguns dos destaques ficam com “Look-A Here Woman Blues”, “Goin’ Away Mama Blues”, “Goin’ Where The Chilly Winds Don’t Blow” e “Kansas City Blues”.
Estamos diante de um registro histórico, que desenterra a memória de apenas um dos talentosos músicos de blues que infelizmente foram engolidos pela história. 

'The few old snapshots I took, the handful of tunes we recorded, and his brilliant performance of 'Hurry Sundown' captured on film are all that's left of the musical legacy of Hayes McMullan, sharecropper, deacon, and - unbeknownst to so many for so long - reluctant bluesman - disse Wardlow
 

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Chris Cornell morre aos 52 anos.



Eu sei, todos já foram informados dessa notícia. Mas, mesmo atrasado, o blog não poderia deixar de registrar esse triste acontecimento. No último dia 17, perdemos o cantor e guitarrista Chris Cornell, de Temple of The Dog, Soundgarden e Audioslave. Para quem é fã de rock, especialmente o grunge, é mais uma perda de um heroi.

R.I.P Cornell!





terça-feira, 2 de maio de 2017

Confira "Don't Leave Me Here" e "All Around The World", do novo álbum colaborativo de Taj Mahal e Keb' Mo', TajMo



Como já se sabe, vem mais uma parceria de primeira por esses dias. O bluesman Taj Mahal se uniu a Keb’ Mo’ e estão lançando o álbum TajMo no próximo dia 5. Eles já disponibilizaram algumas músicas do trabalho pelos serviços de stream. Portanto, enquanto aguardamos o lançamento oficial do esperado disco de Taj Mahal em parceria com Keb’ Mo’, deixo aqui algumas das músicas que já viram a luz do dia. O primeiro é o lyric vídeo de “Don’t Leave Me Here” e o segundo é a apresentação ao vivo de “All Around The World” no The Late Show With Stephen Colbert. 







quinta-feira, 27 de abril de 2017

Confira o belíssimo clipe de "Far From The Cradle", de Hurricane Ruth


Hurricane Ruth acaba de lançar um vigoroso álbum, Ain’t Ready for The Grave, para o qual grava um clipe igualmente intenso para a mais emocionante faixa do disco. O vídeo de “Far From The Cradle” é denso, reflexivo e ainda nos faz pensar na passagem do tempo. Na belíssima letra, Ruth nos dá algumas dicas de como devemos enxergar esse movimento inexorável que não vai parar nunca: “We’re far from the cradle, but we ain’t ready for the grave”. Confira:


Confira Guy Davis & Fabrizio Poggi em ação Live Out Of The Woods


Guy Davis e Fabrizio Poggi lançaram um dos álbuns mais intensos do ano, o histórico Sonny & Brownie's Last Train, no qual se dedicam a homenagear dois grandes gênios do blues, Sonny Terry e Brownie McGhee. Confira agora dois vídeos em que os dois aparecem em ação tocando faixas do disco, "Louise, Louise" e "Walk On"





Resenha de Vin Mott - Quit The Women for the Blues



O disco de estreia de um artista tem que vir com alguns elementos que forneçam dicas sobre o que o ouvinte pode esperar. O título e a capa são aspectos importantíssimos para esse fim. É o que acontece, por exemplo, com o disco "Quit the Women for the Blues", do jovem estreante Vin Mott, de New Jersey. A capa é simples e mostra Mott em plena ação tocando gaita, enquanto o título do disco sugere que tenha muito, muito blues. E melhor, harmonica blues. Pois bem, é isso o que Vin Mott faz, inspirado pelos mestres tais como James Cotton, Little Water e pegando a tradição de Chicago blues de Muddy Waters, em cada uma das dez faixas do disco. Outra coisa que chama atenção e confere muito crédito a Mott e sua banda é que todas as dez faixas são originais e autorais.

A faixa de abertura e que dá título ao álbum foi construída sem dúvida com base em "Killing Floor", de Howlin' Wolf. Inicia o disco com grande estilo. "Make Up Your Mind" é um apelo para a garota se decidir logo. Aqui, bem como em vários outros momentos do disco, Mott mostra solos de gaita com grande desenvoltura. O humor ácido aparece em "Don't Make Me Laugh". A ótima "I'm a Filthy Man" é um dos pontos altos do disco, com Mott assumindo o papel do safadão da história.

Mas a grande estrela do álbum mesmo é "The Factory". No blues, as contradições da luta de classes aparece na maioria das vezes de forma indireta. Por ser um estilo que se desenvolveu num ambiente brutal e segregado, no qual os negros estavam sujeitos à violências por todos os lados, é natural que eles não se sentissem seguros o suficiente para escancarar tudo o que pensavam nas suas letras, exceto nos salões frequentados somente por membros do próprio grupo. Ainda assim, algumas gravações de cantores que tiveram coragem de colocar os pingos nos i's nas letras se destacaram. Por exemplo, "Take This Hammer", de Leadbelly, que serve quase como uma "dedada" para o capitão, ou, provavelmente a mais clássica, "Big Boss Man", de Jimmy Reed, alcança um momento em que ele fala na letra: "você não é tão grande, você só é alto, e isso é tudo". Big Bill Broonzy, J. B. Lenoir, Josh White e Nina Simone são alguns outros que se destacam por ter deixado essa luta de classes mais clara em algumas letras do blues. Pois bem, longe de colocar Vin Mott na mesma posição em termos de experiência de classe que os negros norte-americanos durante a praticamente toda sua história enquanto comunidade americana, mas "The Factory" sem dúvida retrata a esfera da luta de classe que foi transferida da zona rural para as fábricas. A música, um slow blues arrastado que representa a exaustão no final de um dia de trabalho, mostra uma letra que representa a realidade de muito trabalhador industrial pelo mundo afora. Típico de um morador de uma zona industrial. Representa também a indignação, a raiva por essas relações sociais de produção. Vale a pena transcrever um trecho da letra:

 I've been working / all around the clock (2x)
got stuck on the third shift / man, what a shock
I've been working / all around the clock
this living, ain't much living
I've been beaten down by the Factory.

 Gonna get me a pistol, gonna shoot the Boss (2x)
And I won't be sorry, for nobodies loss
Gonna get me a pistol, gonna shoot the Boss
This living, ain't much living
I've been beaten down by the Factory

Na verdade, em algum momento da vida, todos nós trabalhamos nessa fábrica que Vin Mott fala tão vivamente. Seja ela real ou não.



Mas como todo bom trabalhador, a vida não se resume a reclamar da exploração. Tem muita festa, namoro e diversão também. A coisa fica mais animada, inclusive sexualmente, com "Freight Train" e "Ol' Greasy Blues". Mas claro que teria que ter alguma música sobre problemas de relacionamento, com o "I Wanna Get Ruff With You". O álbum se encaminha para o final com "Livin The Blues", mas um ótimo lamento de quem realmente está vivendo o blues. "Living the blues, been misused, treated so bad". Isso é o blues. Para finalizar, uma divertida instrumental "Hott Mott's Theme", em que Mott usa pouco mais de dois minutos para se divertir com sua banda e sua gaita.


Então, seja utilizando o humor, o desejo sexual, a exaustão física, a raiva ou o ímpeto festeiro, "Quit The Women For the Blues" é um ótimo disco autêntico de blues. Não é qualquer um que estreia com um álbum totalmente com músicas autorais, principalmente no blues, um gênero que é tão comum ver regravações atrás de regravações. É rejuvenescedor, sem dúvida. Vale muito a pena ficar de olho nos seus próximos passos.


Resenha - John Primer & Bob Corritore - Ain't Nothing You Can Do!


De um lado, John Primer, um renomado guitarrista no meio do Blues que carrega a honra de ter integrado a última banda do lendário Muddy Watters, pouco antes da morte deste, em 1983. Além disso, conta com uma sequência de vigorosos discos solos, sempre fiéis ao tradicional estilo do Blues de Chicago e guarda o Blues Award de 2016, na categoria de Best Traditional Male Artist. Do outro lado, Bob Corritore, um dos grandes gaitistas da atualidade, que também é vencedor de um Blues Award, em 2011, na categoria Historical Album, com o álbum Harmonica Blues. Para juntar o talento dos dois está, mais uma vez, a gravadora Delta Groove Music, altamente influenciada pelo som puro e tradicional do Blues da cidade do vento. Em 2013 foi o disco de estreia dessa parceria, "Knockin' Around These Blues". Agora o catálogo da dupla é acrescida por "Ain't Nothing You Can Do", no qual a dupla mantém a pegada do Blues nostálgico e original que era tocado pelos clássicos décadas atrás. O disco ainda conta com a presença do pianista de Blues Barrelhouse Chuck em sete faixas, que infelizmente nos deixou no ano passado, aos 58 anos, e ainda com Henry Gary, pianista de Howlin' Wolf, aos incríveis 91 anos, tocando nas três outras faixas. O guitarrista Big Jon Atkinson, com quem Corritore lançou um disco no ano passado, "House Party At Big Jon's", também toca em três músicas.

A faixa de abertura é "Poor Man Blues", uma aclamação para ajudarmos aqueles que estão necessitando, que não tem um prato de comida. Cada música aqui parece construída para que todos os músicos disponham de momentos de mostrarem seus talentos de forma mais livre e solta. Incrível como há momentos em que a voz de John Primer parece bastante com a de Muddy Waters. Em "Elevate Me Mama", de Sonny Boy Williamson, a guitarra de Primer também canta demais, enquanto "Harmonica Boogalo" é simplesmente uma das melhores Jam de gaita que você escutará este ano.

Um dos destaques é a sensual "Big Legged Woman", que prova como existem músicas que podem ser sensuais sem ser ofensivas às mulheres. Nenhum assédio, apenas admiração. "Gambling Blues", de Magic Slim, também conta entre os destaques. É o momento da jogatina, hobby favorito dessa turma da pesada. O disco ainda conta com "May I Have a Talk With You", de Howlin' Wolf. O disco chega ao fim com "When I Leave Home", em torno de sete minutos, com tempo suficiente para guitarristas, gaitista e pianistas.

A experiência de John Primer mesclada com a técnica e o vigor de Bob Corritore, contando ainda com uma ótima banda de músicos, faz com que "Ain't Nothing You Can Do" seja um dos melhores discos de blues puro e tradicional lançados no ano.